PAPA BENTO XVI E O ESCAPULÁRIO

 

O Papa Bento XVI convidou, no passado dia 17 de Julho, após a Solenidade de Nossa Senhora do Carmo, os cristãos a usarem o escapulário de Nossa Senhora do Carmo, como “um sinal particular da união com Jesus e Maria”.
O Pontífice recomendou, em polaco, que se use este objeto de tecido, de cor castanha, que se pendura no pescoço, no final do seu encontro com os peregrinos por ocasião do Ângelus.
Não será por acaso que o Santo Padre tenha feito estas afirmações em polaco, pois como sabemos o Bem Aventurado João Paulo II usava o escapulário desde a sua juventude e via nele um símbolo de “defesa nos perigos, selo de paz e sinal do auxílio de Maria”.
“O escapulário é um sinal particular da união com Jesus e Maria – disse. Para aqueles que o usam, constitui um sinal do abandono filial na proteção da Virgem Imaculada. Na nossa batalha contra o mal, que Maria, nossa Mãe, nos cubra com seu manto”, concluiu.
O escapulário, na sua origem, era um avental que os frades usavam sobre o hábito religioso durante o trabalho manual. Com o tempo, assumiu o significado simbólico de querer carregar a cruz de cada dia, como os verdadeiros seguidores de Jesus. O escapulário não é “um objecto para uma proteção mágica (um amuleto)”, “nem uma garantia automática de salvação”, “nem uma dispensa para das exigências da vida cristã, muito pelo contrário”, é um compromisso de imitação das virtudes da Virgem Maria.

Cf. Zenit, 17-07-2011

 

2011-07-20

 
[Voltar às notícias]