I CONGRESSO COMUNICAÇÃO OCD (último dia)

 

Image

21 de Setembro

Acabar, começar

Acabou hoje, sábado, 21 de Setembro, como previsto, o I Congresso da Comunicação OCD. Cinco dias depois saímos todos de Ávila mais ricos: organizadores, professores e congressistas. Impossível processar em tão pouco tempo tanta informação que nos foi debitada a rodos durante várias horas ao dia.

Ouvimos e aprendemos de tudo: de notícias de todos os tipos, crónicas e reportagens; de fotografias e de vídeos, de redes sociais, perigos, preconceitos e vantagens.

A Igreja é perita em humanidade e tantas vezes desastrada em comunicar a Palavra misericordiosa e salvadora. Valeu a pena meter pés ao caminho até ao Cites, por que, afinal, não podemos não comunicar, e, sobretudo, não podemos guardar debaixo do alqueire a única luz que ilumina com sentido e é mais certeira que a luz do meio dia.

É hoje imperativo dizer, dizer bem e dizer de maneira que nos entendam, as razões da nossa alegria e as convicções que nos revelam como homens e mulheres de esperança. No nosso caso o melhor tesouro não o podemos reservar apenas para nós, porque ele protege-se e guarda-se melhor quanto melhor for proclamado e anunciado para o exterior.





Somos comunicação, somos encontro. O isolamento não é próprio do cristão, porque todo o baptizado é chamado a sair a dar testemunho da sua fé e a incarnar no mundo a salvação em acto.

E é urgente dizer o Ressuscitado a este mundo em permanente transmutação, que, desgraçadamente, já não sabe ler a letra quando começa a preferir a imagem à palavra!

É certo que tão ingente desafio gera cansaços e desesperanças. Porém, havemos de reconhecer que somos portadores de memória, e que a memória nos diz que a Igreja sempre soube vencer sobressaltos e oposições de todo o feitio e que quando as multidões sofriam por não saber declinar o latim, como boa mãe ela inventou os vitrais das catedrais para educar sob a luz do Espírito Santo gerações consecutivas de povos inteiros.

A mudança cultural não é hoje menor que ontem. E se ontem fomos capazes de comunicar hoje sê-lo-mos também; haja confiança em Deus e perseverança em nossos corações.

Acabou o Congresso, saímos da caverna. Chegou a hora de começar a rasgar cristais sem medo de enfraquecer o edifício.




20 de Setembro





Sóis e Sombras

Vai o dia no seu zénit e o sol brilha em todo o seu esplendor em toda a largura de ancha Castilla. E por mais que brilhe o sol nunca desaparecem todas as sombras. Assim foi a nossa manhã: reunidos por grupos linguísticos fomos expondo e debatendo, mais o primeiro que o segundo, os sóis que brilham e as sombras que escurecem as nossas realidades comunitárias e províncias no que diz respeito aos meios de divulgação.

Resumo: existem alguns meios, dos mais modestos aos mais solenes, mas predominam os facebook pessoais; comunicar é sentido como um dever e um meio de chegar muito mais além do silêncio claustro. Por outro lado, ficou muito vincada a ideia do amadorismo nem sempre suprido pela boa vontade e o sentido do dever.

O sol do Congresso sobre a informação começa a decair e já existe quem suspire pelo segundo. Motivos para reflectir não faltam, desejo de aprender também não.






19 de Setembro




Vamos ter medo, de quê?

O Congresso sobre Comunicação vai a meio do terceiro dia. Porém, o primeiro tema da manhã ameaça converter-se no tema do dia: o medo da imprensa. Parece fazer parte da identidade cristã a fobia aos meios de comunicação social, seja por que desconhecemos como funcionam, sejam por que quase sempre nos deixam mal na fotografia.

Juan Manuel Borrego, Secretário de Informação OCD, assume que os jornalistas já não entendem as nossas palavras e quase não distinguem uma sacristia duma capela ou dum corredor. Porém, a seu ver, é necessário que assumamos com humildade que o próximo passo deve ser o nosso. Chegou o tempo de ir ao encontro da comunicação social e convertê-la em aliada e sócia da nossa missão.

Por que possuímos um tesouro que é a Palavra torna-se necessário para divulgá-la desimpedir os canais que a podem amplificar. Como profissionais que são os jornalistas não jogam o jogo do contra por si mesmo, mas são sensíveis aos nosso discurso se a nossa mensagem é assertiva, clara e verdadeira.

É necessário uma mudança em ambos os exércitos, nós e eles, mas provavelmente cabe-nos a nós a maior mudança se queremos que a mensagem que nos convém chegue a quem convém. Como diria o Papa Francisco: chegou o tempo de caminharmos juntos durante um pedaço do caminho; ou como dizia Santa Teresa: Esta é a hora de caminhar!





18 de Setembro




Que bela notícia

Uma notícia para ser eficaz deve ser simples, clara e concisa.

Se objectiva, melhor; porém, nada vence a simplicidade. O difícil de uma notícia é escolher o que noticiar, mas vocês, Carmelitas, não têm esse problema, disse o vice-director do jornal Norte de Castilla, decano dos jornais espanhois!

«Já pensaram em como vão difundir o fenómeno do V Centenário de Santa Teresa? Que bela notícia vocês têm para dar ao mundo!»





17 de Setembro




Teve início no dia 17 de Setembro e decorre até ao próximo dia 21 o primeiro congresso sobre a informação OCD.

O congresso acontece no CITES – Universidade da Mística, em Ávila, e é uma iniciativa promovida pelo secretário de informação da Ordem.

Os congressistas são cerca de sessenta, na sua maioria religiosos carmelitas provenientes de 40 países, mas também alguns leigos com responsabilidades informativas em diferentes províncias aonde os carmelitas têm presença.

O grande objectivo deste primeiro congresso sobre a comunicação visa melhorar a difusão de informação, quer para dentro, quer para fora da Ordem, e preparar bons informadores dos nossos acontecimentos, mas sobretudo, do acontecimento maior que será a celebração do V Centenário do nascimento de Santa Teresa de Jesus.





Sobre o congresso




Podemos não estar onde tantos estão, senão todos?

Podemos não estar onde o que não se vê não se conhece, o que não se conhece não existe?

O logo do I congresso de comunicação OCD recorda-nos que também o carmelo há-de estar onde começa a ser mais comum procurar-nos e perguntar por nós: Facebook, Twitter, Youtube, Picasa – as redes sociais.

 

2013-09-17

 
[Voltar às notícias]