I Encontro de Investigadores OCD

 

Image

Ao constatar que existem nas universidades portuguesas e noutros organismos vários alunos com teses de mestrado e doutoramento nos mais diferentes temas relacionados com áreas da história Ordem dos Carmelitas Descalços (OCD) em Portugal e nas suas respectivas missões, a convite do Pe Provincial, Joaquim Teixeira, reuniu-se pela primeira vez, na Domus Carmeli, em Fátima, nos dias 15 e 16 de Fevereiro de 2014 um grupo de investigadores sobre temáticas carmelitas.
O objectivo deste encontro foi conhecer e partilhar as diferentes áreas de investigação dos convidados, as suas dificuldades e as sugestões de novas linhas de investigação.
O Pe Provincial começou por dar as boas vindas aos 6 investigadores presentes e agradecer o seu interesse pela história dos carmelitas descalços, convidando cada um a apresentar de forma informal os trabalhado realizados ou em curso. Da parte da OCD estavam presentes além do Pe Provincial, os padres Jeremias Vechina, José Carlos Vechina, Pedro Ferreira e Daniel Jorge. Todos escutaram com muita atenção a partilha dos tesouros escondidos que cada investigador começou a pôr em comum, apresentando as dificuldades com que cada um dos investigadores se tem confrontado, enquanto iam sugerindo também alternativas para as ultrapassar.
A Dra Lúcia Marinho, doutoranda, a preparar uma tese dedicada ao tema: «A iconografia de Santa Teresa de Jesus a partir da Colecção do Museu Nacional do Azulejo», apresentou a dificuldade em identificar algumas pinturas referentes à vida de Santa Teresa de Jesus. No diálogo com os presentes encontrou algumas pistas para as ultrapassar.
O Doutor Carlos Margaça Veiga, outro dos investigadores presentes, informou os presentes que preparou a «entrada» sobre os Carmelitas Descalços no Dicionário Histórico das Ordens e Instituições Afins em Portugal e preparou também um artigo sobre o antigo Convento de Santa Teresa de Jesus de Carnide, a ser publicado brevemente e, como membro da Academia de História, tem vindo a sensibilizar esta instituição para a investigação sobre a Ordem os Carmelitas Descalços em Portugal.
A Dra Maria Lucília Teixeira, de Évora, apresentou uma tese de mestrado na Universidade da mesma cidade sobre o Convento de São José da Esperança (Convento Novo) de Évora, das Carmelitas Descalças.
O João Loureiro, um jovem investigador, que se tem dedicado ao estudo da presença da OCD em Cascais, neste momento está a preparar uma nova investigação sobre o bispo carmelita, Frei João da Cruz, natural de Cascais.
A arquitecta Filomena Monteiro, que trabalha no Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Évora, partilhou-nos a preocupação que tem tido em conservar e divulgar o Convento dos Remédios da mesma cidade e o seu rico espólio.
O Doutor Nuno Falcão, em representação do Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, partilhou os seus conhecimentos sobre a acção missionários dos primeiros carmelitas descalços no Reino do Congo, além de reforçar a disponibilidade em colaborar com os Carmelitas, concretamente na organização do Colóquio Internacional abaixo indicado.
Os representantes da OCD presentes dispuseram-se a colaborar abertamente com os investigadores sempre que necessitem, nomeadamente na facilitação do acesso ao arquivo e bibliotecas, na partilha de ideias e informação dos frades carmelitas que se têm dedicado ao estudo da história da Ordem, concretamente o Pe José Vechina, arquivista da Ordem em Portugal.
Não puderam estar presentes a Dra Marta Simões, da Fundação Mata do Buçaco, e a Dra Ana Caramez, doutorando, a preparar tese sobre o Convento do Carmo, em Viana do Castelo.
A seguir, apresentamos sugestões de novas linhas de investigação que se podem explorar; os presentes partilharam o conhecimento que têm de outros investigadores que estão a trabalhar em teses de mestrado e doutoramento. Tentaremos contactá-los e convidá-los para um próximo encontro.
No dia seguinte, no Domingo, e na continuação dos trabalhos definimos alguns compromissos concretos que poderemos levar à prática nos próximos tempos.
1. A criação de uma base de dados restrita aos investigadores carmelitas, cuja consulta assentará numa base de confiança e respeito mútuo pela investigação realizada. Avaliaremos o que se pode tornar público ou manter restrito. Esta seria de cariz, inicialmente, bibliográfico, com especial incidência nas áreas da história, património e arte, missionação, espiritualidade e cultura. O primeiro objectivo seria começar com a história da Ordem dos Carmelitas Descalços.
O João Loureiro ficou de dar início a este projecto com a criação inicial de um esquema que será distribuído por todos com o objectivo de ir sendo aperfeiçoado com as ideias que possam surgir da parte de todos os que integram este grupo de trabalho. A este respeito, o P. Pedro Ferreira sugeriu que a realização desta base de dados, a começar pelas questões histórias, poderia ser o início de um projecto mais amplo da criação de uma Biblioteca Digital Carmelita estendida a outras áreas e que muito facilitaria a vida aos investigadores. A proposta agradou a todos e esperamos dar brevemente os primeiros passos neste sentido.
2. Para apoiar o trabalho dos investigadores, também criaremos brevemente um grupo na rede social facebook onde cada um dos investigadores aderentes poderá colocar as suas questões e dúvidas que serão esclarecidas pelos mesmos utentes do grupo.
3. Por fim, apontamos para a realização de um Colóquio Internacional sobre estudos históricos da OCD nos meses de Setembro ou Outubro de 2015, onde se darão a conhecer a um público mais vasto todos os trabalhos de investigação histórica que têm vindo a ser realizados e outros que possamos pedir. O Doutor Carlos Margaça começará brevemente a preparar um esboço deste Colóquio que será enriquecido por todos os presentes. Com esta iniciativa pretendemos promover a investigação científica sobre a história da OCD nas áreas do património e da arte, da missionação, da espiritualidade, da história institucional, da cultura (colégios, escolas de teologia e filosofia, autores mais notáveis…) etc. Recorreremos a parcerias com as universidade de Lisboa e de Coimbra, além da do Porto, representado pelo Doutro Nuno Falcão. A Arquitecta Filomena Monteiro dispôs-se a alargar este Colóquio ao Brasil com quem dispõe de contactos privilegiados com as suas Universidades.
Ainda se lançaram sugestões no sentido de publicar o IV tomo das Crónicas dos Carmelitas Descalços e de programar visitas culturais aos locais mais significativos de presença carmelita no nosso país.

Fátima,16 de Fevereiro de 2014

 

2014-02-16

 
[Voltar às notícias]